Julgamento decorreu na manhã desta segunda-feira, no Tribunal de Matosinhos. Um dos arguidos negou envolvimento no caso, alegando ter-se limitado a levar comida três ou quatro vezes.

Em julho de 2019, o Maia Hoje noticiou a mega operação da PSP que apreendeu uma tonelada de canábis em estufa de Pedrouços. Da operação, que envolveu 50 agentes, resultou a detenção de dois homens e uma mulher de nacionalidade chinesa, com idades compreendidas entre os 35 e os 50 anos. Estufa tinha cerca de 1000 m2 de plantação e, à data, deveria estar em laboração há um ano.

Em conferência de imprensa dada aos jornalistas aquando do desmantelamento, a PSP ressaltou o «elevado grau de elaboração e complexidade nos sistemas» dedicados ao cultivo, colheita e comercialização ilícita de canábis.

Da operação resultou a apreensão de 1 tonelada de plantas e folhas de canábis em diferentes estados de maturação; material de cultivo, colheita e acondicionamento de estupefaciente; material relacionado com sistemas de rega, aquecimento e ventilação dos quais se destacam 600 lâmpadas térmicas; 500 balastros elétricos; cerca de 10000 ventiladores; aproximadamente 3 mil euros e uma viatura automóvel.

À data, a PSP adiantou ainda que «a energia utilizada na plantação e produção, provinha de uma ligação clandestina, direta a um equipamento de transformação localizado naquelas instalações», o que se traduziu num prejuízo estimado em 3 milhões de euros ao sistema de distribuição da EDP.

O processo começou a ser julgado durante a manhã desta segunda-feira, 18 de maio, no tribunal de Matosinhos.

Um dos três acusados por explorar a megaestufa de canábis demarcou-se de qualquer prática criminosa, garantindo que se limitou a levar comida três ou quatro vezes.

Fonte envolvida no julgamento disse à agência Lusa que o único arguido ouvido na sessão da manhã «distanciou-se da posse e da propriedade do produto estupefaciente e do armazém». Segundo a mesma fonte, o arguido acrescentou que se limitou a levar comida três ou quatro vezes «para pessoas que estavam no armazém, deixando-a numa janela, sem entrar nas instalações».

O arrendamento do armazém onde a produção de canábis se fazia seria da responsabilidade de um seu concidadão cujo nome indicou.

Além de acusar os três arguidos por tráfico de droga, o Ministério Público requereu que dois deles sejam condenados a pagar ao Estado um total de 640.569,83 euros «por corresponder ao valor do seu património incongruente, ou seja, aquele que se presume ter fundamento na prática de crime».

 

Deixe uma resposta