Começou na passada sexta-feira, dia 4 de outubro, mais uma edição do Festival Internacional de Teatro Cómico da Maia (FITCMaia).

Este é um festival de espetáculos que reúnem teatro físico e visual, música ou multi-comédia, texto ou sem palavras, improviso, intervenção do público, clown e circo contemporâneo, câmara e novas linguagens e muito mais.

Esta é uma iniciativa da Câmara Municipal da Maia em direção artística e produção do Teatro Art´Imagem, que conta com a presença de 21 companhias, 10 portuguesas e 11 provenientes de várias regiões de Espanha, da nossa vizinha Galiza ao País Basco, França, Itália, Grã-Bretanha, Bélgica, Ucrânia, Estados Unidos e Argentina. São apresentadas, pela primeira vez e em estreia em Portugal, sete espectáculos de companhias estrangeiras e duas nacionais de grupos portugueses.

Durante nove dias, cerca de 150 profissionais das artes de palco estão na cidade da Maia, no ano em que o município celebra os 500 anos do seu Foral, para apresentarem 25 sessões de 24 espectáculos diferentes que celebram o Teatro através das suas vertentes cómica, do humor e do riso, numa diversificada gama de propostas artísticas que atravessam várias disciplinas e técnicas clássicas até às abordagens contemporâneas, questionando o homem e o seu mundo, na função mais importante desta tão antiga arte que ao vivo confronta públicos e artistas com a fragilidade e força da nossa própria condição humana.

O primeiro dia do Festival, começou na Praça do Município, com a apresentação dos madrilenos do Kanbahiota Troup num espetáculo de circo contemporâneo “Vaya Circo”, a que se seguiu, no Grande Auditório do Fórum, a atuação do ator portuense Óscar Branco e sua companhia Atitudes para a estreia de “Humor Próprio”, uma peça em estreia nacional que comemora os 40 anos da sua vida artística e a que o FITCMaia se junta numa homenagem ao actor que durante estas 24 edições foi presença constante na sua programação.

Sábado, dia 5 de outubro, no Exterior do Fórum, pôde ser vista a peça “Tentación Divina” para todos os públicos da argentina Maité Esteban Oliva e o seu grupo Maiclown;  a presença dos Kopinxas com o “D. Quixote” e seu cavalo Rocinante mais Sancho Pança; Teatro de Montemuro e os britânicos do Absolute Theatre denominado “4 Clowns do Apocalipse”. O dia terminou com a estreia em Portugal de “Soñando a Chaplin”, uma homenagem a Charlot do espanhol Jesus Puebla Mimo.

SEGUNDA-FEIRA, 7 DE OUTUBRO

21h00 | Poderia indicar-me… Para Trastamires? – TriActo – Portugal
Exterior do Fórum da Maia | Gratuito | M/6 | 20M

Gonçalo Mendes da Maia, nascido nas terras de Trastamires, atual Maia. Vem com o seu amigo o Moço-Príncipe (D. Afonso Henriques) sempre acompanhado pelo seu educador e mentor Egas Moniz. Deslocavam-se para casa de Gonçalo da Maia, para conspirar contra D. Teresa, mãe de D. Afonso Henriques… Mas por uma qualquer causa desconhecida, vêm-se subitamente na Maia do Século XXI… Uma comédia com referências aos atuais monumentos e realidade geográfica Maiata…
Dramaturgia Nuno Sá Encenação Patrícia Queiroz Figurinos e adereços TriActo Interpretação Hélia Martins, Mário Sá e Nuno Sá

 21h30 | ATM – Companhia do Chapitô – Portugal
Grande Auditório do Fórum da Maia | M/12 | 60M

Espectáculo com Interpretação em Tradução Língua Gestual Portuguesa
Um lugar, quatro vidas, uma história com, irremediavelmente, um final. É o mote desta criação que retrata o quotidiano de quatro “jovens” na terceira idade num verdadeiro turbilhão de emoções. Comovente, tão depressa trágica como cómica e, as mais das vezes, ambas em simultâneo, “Atelier de Tempos Mortos” estimula à reflexão sobre a sociedade actual e a forma como encaramos e lidamos com o abandono e os “velhos” que todos somos ou seremos. Uma caricatura feita com humor negro e muita ironia, dramas risíveis de uma existência e de um lugar, apesar de tudo, de esperança, onde se trocam pedaços de mundo num espelho onde nos podemos reconhecer nas nossas atitudes.
Criação Colectiva Companhia Do Chapitô Direcção Cláudia Nóvoa e José Carlos Garcia Interpretação Jorge Cruz, Ramon de Los Santos, Susana Nunes e Tiago Viegas Direcção de Produção Tânia Melo Rodrigues Sonoplastia Sílvio Rosado Música inicial “Wet Blanket” escrita e executada por METZ, cortesia de Sub Pop Records Construção do cenário João Calixto Figurinos Rita Olivença Design Gráfico Sílvio Rosado Desenho de luz Paulo Santos Operação de luz Ema Brito e Catarina Chasqueira Fotografias Sílvio Rosado Audiovisuais Nádia Santos

TERÇA-FEIRA, 8 DE OUTUBRO

21h00 | Boldie & Cloide – Encerrado para Obras – Portugal
Exterior do Fórum da Maia | Gratuito | M/6 | 20M

Inspirados na odisseia de Bonnie & Clyde, o casal de gangsters mais famoso da história, os artistas Cláudia Santos (uma cantora mais conhecida pelo pseudónimo de Cloide) e David Cruz (um músico ousado) levam-nos numa viagem musical aos loucos anos 20, uma época de folia e libertação durante a qual o mundo celebrou a alegria da vida após a hecatombe da 1a Guerra Mundial. Partindo de Leiria no ano de 1919, este casal de sonhadores anda pelo mundo a assaltar bancos… de jardins, usando um banjo e alguns instrumentos de percussão.
Interpretação David Cruz e Cláudia Santos Direcção Musical David Cruz Figurinos Cláudia Santos

21h30 | Los 4 Cobre – Dandy Danno&Diva G – Sicília/Itália
Grande Auditório do Fórum da Maia | M/6 | 80M

ESTREIA EM PORTUGAL
Los 4 Cobres é um espectáculo que combinação de diferentes linguagens teatrais: a arte da máscara, o teatro físico e a arte do palhaço e da comédia visual O espectáculo inclui expressivas máscaras silenciosas trazidas à vida com forte fisicalidade; esses quatro personagens cómicos (mãe, pai, filha e filho) falam com as posturas e gestos. Em vez de palavras, eles usam os seus corpos para explicar as dificuldades de uma família conectada à realidade. O uso excessivo da internet interfere em sua vida diária. Apenas o pai descobre a solução para melhorar a comunicação interpessoal e as habilidades e jogos de interação. Como o palhaço, o pai lhes dá a oportunidade de serem livres, permitindo-lhes a liberdade de rir de si mesmos.
Direcção Segalin Daniele – Parisi Graziana Dramatização Segalin Daniele
Interpretação Daniele Segalin, Graziana Parisi, Floriana Sabato, Patrizia
Fazzi TécnicaGiorgio Intelisano, Giuseppe Ferraù for Show Concept
Organization: Chiara Amorelli & Walter Amorelli Figurino Parisi
Graziana Mask Teatro Strappato Cenografia Odette Rigano & Elena
Arcidiacono

QUARTA-FEIRA, 9 DE OUTUBRO

21h00 | Senha 1519 – TriActo – Portugal
Exterior do Fórum da Maia | Gratuito | M/6 | 20M

ESTREIA NACIONAL
O Foral da Maia faz 500 anos, necessita de ser renovado perante o Estado… Habitual confusão e enganos das repartições públicas. Uma divertida performance num balcão de atendimento publico. Uma comédia de comportamentos, misturados com dados históricos, alguns equivocados, da concretização e renovação do foral da maia de 1519.
Dramaturgia Nuno Sá Encenação Mário Sá Figurinos e adereços TriActo Interpretação Hélia Martins e Nuno Sá

21h30 | Solo Fabiolo – Distribuição Yllana – Madrid/Espanha
Grande Auditório do Fórum da Maia | M/6 | 80M

ESTREIA EM PORTUGAL
Cabelo antiderrapante, à prova de furacão, mais dinheiro do que neurônios, uma raquete sempre no ataque. Se não adivinhou quem é, eu ajudo: é Fabiolo de la Mora e Leja, o olímpico e elegante, que com a sua raquete, a bola e o seu passe, vai deixar todas as pessoas perplexas. Uma boa vida e uma com cabeça estilo à prova de bombas. Da sua mão saberemos o que é a coscuvilhice do poder e a mais atual celebridade em gastronomia, beleza e elegância, porque todos o conhecem e Fabiolo domina o assunto. Fabiolo abrirá ao público o seu coração, que transbordando de amor pela humanidade ao mesmo tempo que reflecte sobre as mais variadas questões políticas e económicas. E tudo com duas bolas… duas bolas de ténis …
Criação e Interpretação Rafael Maza Texto Rafael Maza y Alberto Gálvez Direccão Rafael Maza con la colaboración de Fernando Gallego, Marcos Chanca y Alberto Gálvez Som Juan Pedro Miranda Desing Tropical Estudio Figurinos Iñaki Maestre

QUINTA-FEIRA, 10 DE OUTUBRO

21h00 | Da Cruz One Man Band – Encerrado para Obras – Portugal
Exterior do Fórum da Maia | Gratuito | M/6 | 20M

Único Homem-Orquestra tradicional no nosso país, este artista multifacetado apresenta um espetáculo surpreendente em que toca em simultâneo e em andamento um total de 17 instrumentos.
Criação e Interpretação David Cruz

21h30 | Déboires – Cie la Volubile – Eclassan/França
Grande Auditório do Fórum da Maia | M/6 | 40M

ESTREIA EM PORTUGAL
Déboires é a história de uma personagem que está no terraço de um café. Ele é um cowboy, um dandy malandrenco que pede um copo de água a um garçom mal disposto, enquanto espera companhia, deixa-se levar pelo seu imaginário povoado por sons estranhos e ruídos incomuns.
Concepção e Dramaturgia Adrien Perez Música e efeitos sonoros Tristan Castella Interpretação músical e efeitos sonoros alternados Tristan Castella e Fanny Vialle Colaboração Heinzi Lorenzen e Fanny Vialle Co- produção Quelques p’Arts, Centro Nacional das Artes da Rua e do Espaço Público, Boulieu-lès-Annonay

SEXTA-FEIRA, 11 DE OUTUBRO

 21h00 | O Misterioso Caldeirão da Bruxa – Boca de Cão – Portugal
Exterior do Fórum da Maia | Gratuito | M/6 | 20M

Cardo e Arruda aprendizes da bruxa Zulmira transportam um grande caldeirão que desperta muita curiosidade. O que terá dentro? O que vai acontecer? Para acordar a bruxa de um eterno sono os dois personagens entoam uma evocação com a ajuda do público e puf… salta a Zulmira do meio do fumo sempre alegre e divertida, pronta para ajudar quem precisa. Espetáculo de interação direta da marioneta com o público, que trabalha o universo misterioso e místico com uma forte componente cómica.
Criação e interpretação Hugo Ribeiro e Muni Joana Domingos

21h30 | Yo, Mussolini – Leo Bassi – EUA/Itália/Espanha
Grande Auditório do Fórum da Maia | M/12 | 90M

ESTREIA EM PORTUGAL
Leo Bassi volta a posicionar-se conta a extrema direita com um espetáculo que alerta para o ressurgimento da ideologia fascista. Um desafio directo às pessoas que sempre lutaram por uma vida mais solidária e humanista.
Eu, Mussolini é uma peça provocadora e divertida, projetada para gerar otimismo, e, dar ao público que sai o teatro com vontade de resistir, ou melhor “RISISTIR” com inteligência contra a intolerância. Eu, Mussolini, chama a atenção para o fascismo que cresce por causa do medo, e que o melhor antídoto contra esse medo é o nosso sentido de humor.
Direcção e Interpretação Leo Bassi Luz e Som Manuel Durán

23h00 | Fogo – Trigo Limpo – Teatro ACERT – Portugal
Galeria do Fórum da Maia M/6 | 50M

Um espetáculo cómico e musical que procura exorcizar o medo e jogar com a riqueza de significados da palavra e das emoções nela contida. O fogo do amor, da paixão, também da destruição. À roda de uma fogueira onde se contam histórias, se cantam histórias e se ri das histórias, o fogo é o mote para um espetáculo quente e animado que procura exorcizar o medo e jogar com a riqueza de significados da palavra e das emoções nelas contidas. Fogo, chama, lume, luz, paixão, brilho, ardor, espanto…
Texto a partir de Luís Vaz de Camões, Santos Fernando, Ricardo Araújo Pereira e Raul Solnado Dramaturgia, encenação e interpretação Pompeu José, Raquel Costa e Sandra Santos Espaço cénico e Figurinos Coletivos Desenho de luz Paulo Neto Sonoplastia Luís Viegas Desenho gráfico Zétavares Produção Marta Costa Apoio à produção Rui Coimbra

SÁBADO, 12 DE OUTUBRO 

16h00 | Baldín Badán – Cia Shakti Olaizola – País Basco/Espanha
Exterior do Fórum da Maia | Gratuito | M/6 | 45m

Vamos conhecer os disparates e loucuras de uma pintora e de um músico. Para esta peculiar pintora a simples ação de pintar pode tornar-se numa aventura. Observando o público presente ela decide que hoje é o dia para testar todas as suas tolices. É muito desajeitada, mas essa falta de jeito também a leva a mostrar-nos as suas habilidades: pintar com os pés, fazer equilíbrios impossíveis, cantar em posturas raras… Tudo acompanhado pelas melodias e habilidades musicais do seu parceiro…
Ideia original Shakti Olaizola Direccão Jimena Cavaletti Intérpretes Shakti Olaizolam e Joseba Negro Coreografia Maximiliano Sanford Produção Shakti Olaizola Colaboração Gobierno Vasco, Kultur Leioa, Área da Cultura del Ayto. de Bilbao, L’Estruch Fàbrica de creació, Karola Zirko Espazio Cenografia Atx Teatroa e Shakti Olaizola Figurino Azegiñe Urigoitia

21h00 | A Chiclateira – Encerrado para Obras – Portugal
Exterior do Fórum da Maia | Gratuito | M/6 | 20M

Concepção da “Chicalateira” Bruno Almeida e David Cruz Criação e Interpretação Cláudia Santos e David Cruz Canções Originais e Direcção Musical David Cruz.
Os chefes Chocolatela e Chico Laitinho chegam da Chocolatonga da Serra na sua cozinha rolante para nos dar a provar o melhor cacau do mundo.
Mas eis que perdem o cacau pelo caminho. Viram então os tachos ao contrário e confeccionam com amor e virtuosismo um verdadeiro menu gourmet de canções gastronómicas.

21h30 | Los Sombreros Locos – Mimirich – Kiev/Ucrânia
Grande Auditório do Fórum da Maia | M/6 | 70M

ESTREIA EM PORTUGAL
Este espectáculo foi inspirado nos desenhos do famoso cartunista H. Bidstrup. Os jogos de palhaços e as pamtomimas consistem num conjunto de quadros, em que os principais adereços são os penteados. Quatro palhaços de diferentes temperamentos, com chapéus diferentes, encaixam-se em várias histórias. Eles encontram-se num museu, no banco de um parque onde todos têm que se sentar, depois têm que lidar com uma criança endiabrada. Testemunham conversas e situações insólitas. Há break dance, danças exóticas mexicanas em barbatanas, truques, acrobacias e malabaristas e muita interatividade com o público.
Autor Gonzalez Lobo A.J Direcção Gonsales Tetiana Interpretação Rostislav Taraban, Igor Ivashchenko, Pavel Komarov e Andres Gonzalez Lobo Tecnico Demian Prokhorenko

23h00 | Memória de um labrego – Cándido Pazó – Galiza/Espanha
Galeria do Fórum da Maia | M/12 | 80M

Versão cênica a solo do mítico livro galego, de Xosé Neira Vilas, Memorias dun neno labrego (Memórias de um pequeno camponês na versão portuguesa de Viale Moutinho), escrito e publicado em 1961 em Buenos Aires, aonde o autor chegara como emigrante, quando aquela cidade era a urbe onde mais galegos viviam no mundo, a capital da cultura galega. Editado na Galiza na última etapa da ditadura franquista, seu sucesso foi fulgurante, erigindo-se em porta-voz reivindicativo da memória de um país historicamente rural, memória da miséria e da injustiça, motivo do êxodo massivo da sua população. Esta adaptação incluí textos extraídos da tradição oral e da memória colectiva, assim como de criação própria.
Direcção e Adaptação e outros textos Cándido Pazó Cómico-narrador Cándido Pazó Cenografia Carlos Alonso Iluminação Afonso Castro Música original Manuel Riveiro Video-criação Nano Besada e Rubén Vidal “Zé” Ajudante de direção Afonso Castro Colaborador na direção Avelino González Produção Belén Pichel

DOMINGO, 13 DE OUTUBRO

16h00 | Clown Barto – Theater Gili Gili – Bruxelas/Bélgica
Exterior do Fórum da Maia | Gratuito | M/6 | 60M

Barto é um idiota cómico que exibe seu espetáculo numa corda bamba e aprisiona a sua audiência com rotinas enfeitiçadoras de contorcionismo. Um personagem gentil, enlouquecido, o seu espetáculo é um evento único que desperta o público com as suas palhaçadas e feitos técnicos repletos de brilhantismo.
Dramaturgia, Encenação, Interpretação e Figurinos e Adereços Bart Van Dick

21h00 | O Estrambólico Circo – TriActo – Portugal
Exterior do Fórum da Maia | Gratuito | M/6 | 20M

Um circo formado apenas por três elementos. As personagens tentam manter uma elevada interação com as crianças mas nem sempre conseguem a interação desejada… Pois não tem grande conhecimento do que fazem! Um Malabarista que não sabe contar, um Gladiador que queria ser Palhaço, e um Domador de Formigas. As personagens vão sabotando e ridicularizando-se umas às outras com o apoio das crianças…
Dramaturgia Nuno Sá Encenação Hélia Martins Figurinos e adereços TriActo Interpretação Mário Sá, Nuno Sá e Suana Rodrigues

21h30 | Feira dell’Arte – Teatro Meridional – Portugal
Grande Auditório do Fórum da Maia | M/12 | 65M

Este espectáculo passa-se numa Feira, nos arredores de uma qualquer grande cidade. Entre a roulotte das farturas e a barraca de louça de barro e fogareiros, dois actores anunciam o terceiro espectáculo do dia. É uma peça de Commedia dell’Arte, representada há muitas gerações, em muitas feiras de todo o mundo, mas sempre da mesma maneira: Columbina e Zanni são os criados de Pantalone, um homem que, de moedinha em moedinha, fez fortuna. Columbina e Zanni namoram há dez anos e, pelo menos para ela, parece ter chegado o momento de casarem. Entretanto, Isabela e Octávio – o par de enamorados – apaixonam-se perdidamente à primeira troca de olhares e suspiros. Mas Isabela é filha de Pantalone e Octávio é de uma família rival. Quando todas as personagens parecem ter encontrado a felicidade para logo a seguir a perderem, eis que tudo se encaminha para um final próprio da Commedia dell’Arte.
Texto Mário Botequilha Encenação e Desenho de Luz Miguel Seabra Interpretação Emanuel Arada e Rosinda Costa Espaço Cénico Miguel Seabra e Vítor Alves da Silva Figurinos Vítor Alves da Silva Música Original e Espaço Sonoro Rui Rebelo Assistência de Encenação Vítor Alves da Silva Direção de Cena Marco Fonseca Montagem Marco Fonseca, Paulo Gomes Operação Técnica Paulo Gomes Fotografia e Assistência de Produção Susana Monteiro Produção Executiva Rita Conduto Direção Artística do Teatro Meridional Miguel Seabra e Natália Luiza

 

CONTACTOS
Câmara Municipal da Maia | Fórum da Maia
Rua Eng.o Duarte Pacheco, no 131 • Maia t. 229408643 |infocultura@cm-maia.pt facebook.com/culturamaia culturamaia.cm
culturamaia.cm-maia.pt

Teatro Art’Imagem
22 208 40 14 | 91 769 17 53 | 91 08 18 719 teatroartimagem@hotmail.com www.teatroartimagem.org facebook.com/teatroartimagem

BILHETEIRA
Locais de Venda: Fórum da Maia (segunda a sexta-feira 09h00 – 12h30 / 14h00 – 17h30, e uma hora antes de cada espetáculo).
Biblioteca Municipal da Maia (segunda-feira: 18h00 – 22h30, terça-feira a sábado: 09h30 – 22h30).
Maia Welcome Center (todos os dias entre 09h00 e as 19h00)
BILHETEIRA ON-LINE https://forummaia.bol.pt/
Preço Bilhete por espetáculo: 5,00€
Preço Passe Festival (acesso a todos os espetáculos): 50,00€
Preço Passe Fidelidade (acesso a 3 espetáculos no Grande Auditório + 1 Café Concerto): 12,00€
Não é permitida a entrada na sala depois do início dos espetáculos, não sendo devolvido o valor do bilhete.
Os bilhetes para os espetáculos das 23h30 no Café-Teatro não garantem um lugar sentado. Estes só se iniciam após terminarem os espetáculos das 21h30.

Programação sujeita a alteração.

 

Deixe uma resposta