Prevista para Maio, obra deverá sofrer aumento de custo e atraso não definido.

Conforme o MaiaHoje na altura noticiou, no passado dia 26 de Abril, o ministro das Infraestruturas e da habitação, Pedro Nuno Santos, visitou as obras em curso no aeroporto Francisco Sá Carneiro, na Maia, tendo considerado esta obra muito importante para o desenvolvimento da Área Metropolitana, possibilitando que a capacidade do aeroporto passe dos actuais 20 aviões para os 32 aviões por hora, tendo um custo de cerca de 15 milhões de euros.

Esta semana a obra volta a ser notícia, através de fonte do “Jornal I”, que segundo se lê na edição da quarta-feira do passado dia 31 de julho «Uma das frentes das obras de ampliação do aeroporto do Porto está parada devido a um erro do estudo geotécnico, que não detetou as linhas de água que vão obrigar a trabalhos adicionais, com custos adicionais», noticiam.

Contactada a ANA Aeroportos, não nos foi possível obter qualquer comentário à notícia, mas segundo o jornal, citando fonte oficial «as obras não estão paradas e os trabalhos prosseguem como previsto, (…) apenas numa frente de obra, onde foram encontradas linhas de água, não detetadas no estudo inicial, foi necessário suspender pontualmente os trabalhos», lê-se, acrescentando que «para a sua resolução foram feitas novas prospeções geotécnicas e revisto o projeto inicial no sentido de precaver futuras complicações, no caminho de circulação que se está a construir». «Neste momento já foi revisto o projeto, apresentado ao empreiteiro, que apresentou uma proposta de trabalhos adicionais, e que se encontra em discussão e aprovação, para que as obras avancem nessa frente», acrescenta a ANA ao jornal.

A questão que agora se coloca é que este erro terá, como é notório, custos adicionais não orçamentados e um atraso (para já de dois meses), que muito dificilmente será recuperável, inviabilizando a sua inauguração prevista para 20 de Maio de 2020.

Deixe uma resposta