Nova esquadra da divisão da Maia da PSP será no Bairro do Sobreiro. 

A Câmara Municipal da Maia acaba de aprovar um protocolo com a Secretaria Geral da Administração Interna, que permitirá a cedência de terreno urbano, propriedade do município, para a construção das novas instalações da Divisão Policial da PSP na Maia.

Este terreno, cedido em regime de direito de superfície pelo prazo de 50 anos, é situado na Rua Central do Sobreiro, Freguesia da Cidade da Maia e tem uma área de 3.180m2.

O presidente da Câmara Municipal, Silva Tiago reconhece «as difíceis condições em que esta instalada a Divisão da PSP na Maia. O espaço é diminuto, não corresponde minimamente ao que hoje se exige em termos de instalações fixas, e as condições de trabalho dos seus Operacionais e muito deficiente causando constrangimentos vários a um eficiente desempenho, isto para alem das condições logísticas como por exemplo a inexistência de espaço de aparcamento auto», pelo que «daí a necessidade, há muito sentida, de se pugnar pela obtenção de uma solução que leve tudo isto em conta e que satisfaça, também, o interesse do Município. A Câmara Municipal, enquanto gestora do território municipal e interpretando os interesses das suas Gentes, desde muito cedo se empenhou em apresentar soluções várias para essa necessária deslocalização. Sendo bem verdade que ao Município não lhe cabem especiais responsabilidades nesta matéria, também não deixa de ser verdade que sem a ajuda e o “empurrão” da Câmara Municipal seria muito difícil que o Poder Central concretizasse algo para este fim. Mas, e como dizia, submetemos propostas para vários locais e edifícios tendo-se chegado a atual solução compaginando os nossos interesses e os novos objetivos da PSP em termos de Serviços e Órgãos Policiais, a instalar nessa nova edificação», justificou e explicou em documento que deverá agora ser aprovado em sede de Assembleia Municipal.

Irão assinar o mesmo, pela Câmara Municipal, o presidente António Silva Tiago; pela Secretaria Geral da Administração lnterna, o secretário geral, Carlos Silvério da Palma e pela Polícia de Segurança Pública, o seu director nacional, Luís Peça Farinha.

Previsto estará também um contrato inter-administrativo, com vista à construção das referidas instalações.

O prazo limite contratual para construção e instalação, será de dois anos.

Deixe uma resposta