Ontem, 13 de Junho, o médico Luís Filipe Menezes, ex-líder do PSD e ex-presidente da Câmara Municipal de Gaia, na sua página do Facebook, ofereceu uma recompensa a quem der, confidencialmente, informação fidedigna sobre uma denúncia que terá sido feita sobre a sua família à Segurança Social.

Segundo o próprio, há dias terá sido confrontado com a visita de duas profissionais da Segurança Social que, munidas de mandato, lhe bateram à porta por uma denúncia anónima «vinham fazer uma vistoria à minha residência, que nessa denúncia, era referenciada como um local onde tratavam mal, desumanamente, idosos e ainda onde se encontravam crianças menores abandonadas. A missiva aconselhava que as crianças nos fossem imediatamente retiradas!!!», transmitiu.

Para o político, hoje afastado «são muitas as centenas de amigos e conhecidos que sabem qual a minha dedicação doentia, de sempre, aos meus idosos e às minhas crianças, a todos que de mim dependem. Sabem também que essa é a postura militante da minha mulher», continuando «assim, tal acto é inqualificável, repugnante e mais um veículo de uma perseguição contínua, ignóbil, baixa, própria de vermes».

Luís Filipe Menezes explicou que «obviamente que as senhoras com mandato entraram na minha casa com toda a liberdade, terão feito o relato que entenderam, mas certamente condizente com a realidade: na nossa família. Aquela que faz com que uma parte substancial do nosso tempo, do nosso interesse e dedicação, esteja virado exclusivamente para o bem-estar dos nossos velhinhos e das nossas crianças».

Visivelmente agastado com mais esta situação Luís Filipe Menezes disse estar na altura de ripostar «com rigor e sem preconceitos a esta canalhice institucionalizado e organizada», pelo que «não somos ricos, mas entre nós e os nossos pais fizemos uma cotização e oferecemos uma recompensa de 2.500 euros, a quem nos fizer chegar confidencialmente – pode ser por Messenger, Whatsapp ou e.mail luisfilipemenezes13@gmail.com – informação fidedigna, sujeita a prova ou a indício muito forte, sobre a identidade do autor ou autores dessa denúncia anónima», disse, acrescentando que «com essa informação poderemos accionar uma queixa crime que pode terminar num crime público por denúncia caluniosa.

Menezes justificou esta «atitude radical»: «Faço-o para o bem de toda a comunidade a que pertenço, que não pode andar permanentemente ao sabor desta pouca vergonha», acrescentando que a sua postura futura será esta «sempre que a cobardia reles nos bater à porta», disse a terminar, fazendo no seu “post” uma analogia ao filme “Ranson – Resgate”, de 1995, de Ron Howard, onde é protagonista Mel Gibson, cuja papel representa uma vítima de sequestro, que, recusando o pagamento das exigências e não pactuando com criminosos, resolveu oferecer uma recompensa, tendo sido bem sucedido».

Deixe uma resposta