No início da semana o Jornal da Maia foi alertado para a existência de ratos no edifício do Tribunal da Maia que estarão a espalhar urina e fezes por diversos locais, entre os quais mesas de trabalho e refeitório.

Segundo nos foi dado a conhecer, os avistamentos (animais e detritos) já duram há meses, tendo os mais graves ocorridos alegadamente numa gaveta de secretária de uma das Procuradoras (onde foi avistado um animal); no caixote do lixo de um funcionário da Secção de Execuções; no refeitório dos funcionários forenses e até em salas de audiências e Secções onde é feito o atendimento ao público.

Este caso, que configurará um problema de Saúde Pública, foi confirmado aos nossos jornalistas por várias pessoas que trabalham no local.
Segundo a denúncia inicial, esta situação «coloca em risco a saúde pública dos funcionários (algumas em estado de Gestação) e utentes, tendo dado origem, inclusive, a um abaixo assinado entre os funcionários», que terá sido alegadamente «entregue ao Gabinete dos Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho da Comarca do Norte», referem.

Entretanto o Jornal da Maia já conseguiu contactar fonte oficial do Tribunal que confirmou ter havido relatos do mesmo, mas que estariam atentos e já teria sido mesmo contratada uma empresa para resolver o eventual problema que, aliás, segundo nos disse «já estará resolvido e sanado há algum tempo».

Algumas das fontes desmentem esta versão oficial, informando que «é mentira e que nada foi ainda feito ou que, pelo menos, tenha resolvido o problema, que continua» tendo juntado algumas fotos captadas no dia 1 de Outubro de 2018 (ficheiros originais confirmados pelos nossos técnicos), que alegadamente comprovam esta versão, não sendo possível ao jornalista, identificar, verdadeiramente, se correspondem ao local ou não ou mesmo se são relativos a dejectos.

Contactada pelo Jornal da Maia, fonte da Imobiliária ABB, responsável pelo edifício, apanhada de surpresa, primeiramente disse «desconhecer a situação» e, confrontada com a alegada existência de esgotos a “céu aberto” no interior do edifício, apenas tapados por uma simples grelha, educadamente não quis tecer mais comentários, não confirmando, nem desmentindo as situações.

Desta notícia de investigação Jornal da Maia / Jornal MaiaHoje, daremos mais pormenores na edição em papel da próxima sexta-feira do Jornal Maia Hoje.

 

Foto: Google

Deixe uma resposta