A EasyJet, companhia aérea líder da Europa, celebra o Dia Internacional da Mulher com o maior número de mulheres piloto a voar num só dia para a companhia – um record para qualquer companhia aérea europeia.

Com 106 mulheres pilotos na lista de hoje, 60% da tripulação feminina da easyJet encontra-se a celebrar este dia com a hastag #SheFlies para aumentar a consciencialização da Iniciativa Amy Johnson da companhia aérea, uma campanha que incentiva mais mulheres a seguir a carreira de piloto.
Para assinalar o Dia Internacional da Mulher, as mulheres pilotos da easyJet estão a voar de 24 bases de oito países, para centenas de destinos em toda a rede europeia da companhia aérea, sendo responsáveis por 25% do cronograma do dia, representando cerca de 45 mil passageiros transportados. Seis tripulantes femininas – uma capitã, primeiro oficial e quatro equipas de cabine feminina – irão voar entre Lisboa, Funchal, Bordeaux, Londres, Bolonha, Roma, Milão, Munique, Barcelona, Amsterdão e Agadir.
«A easyJet está super focada em encorajar cada vez mais mulheres a seguir esta profissão extremamente gratificante e acredito que não exista outra companhia aérea mais empenhada neste tema como nós. Desde o lançamento da iniciativa Amy Johnson, os nossos pilotos visitaram mais de 140 escolas com o objetivo de inspirar a próxima geração de mulheres pilotos», afirmou David Morgan, diretor de Operações de Voo da easyJet.
O Capitão David Morgan, diretor de operações de voo da easyJet, foi recentemente nomeado como “Agente de Mudanças” pela Management Today e pela Women’s Business Council, por ter conduzido uma real transformação na easyJet e no setor de aviação através da iniciativa Amy Johnson Flying da companhia aérea.
«De acordo com o mais recente estudo da easyJet, a falta de modelos femininos é uma das razões fundamentais para que muitas meninas e mulheres não considerem uma carreira como piloto. Ter as nossas mulheres piloto a voar no Dia Internacional da Mulher proporcionar-lhes-á maior visibilidade e espero que inspire algumas meninas e mulheres a assumir esta carreira gratificante», acrescenta David Morgan.
«Com cerca de 6% de pilotos do sexo feminino no total, a easyJet encontra-se acima da média global. Estamos a trabalhar arduamente para alcançar o objetivo de, até 2020, 20% dos nossos novos pilotos serem mulheres. Em 2017, o número de mulheres copiloto aumentou 48% e, portanto, estamos a caminhar na direção correta – dias como o Dia Internacional da Mulher, dá-nos a oportunidade de incentivar mais jovens a seguir a carreira de piloto», conclui.
Glenda Stone, diretora de parcerias para o Dia Internacional da Mulher, afirma que o facto de ter vindo a conhecer um número considerável de talentosas mulheres a escolher carreiras gratificantes no setor de aviação, é uma boa notícia. «Os modelos inspiradores, como as mulheres, são fundamentais para promover e influenciar as escolhas de carreira das meninas. A iniciativa Amy Johnson Flying de easyJet é um exemplo líder de ação tangível para abordar a igualdade de género. É fascinante ver a easyJet associar-se a diferentes grupos no mundo para apoiar o Dia Internacional da Mulher e #PressforProgress».
Desde que foi lançada a Iniciativa Amy Johnson em 2015, os pilotos easyJet, tanto mulheres como homens, visitaram 140 escolas e faculdades para divulgar o perfil desta carreira.
A proporção atual de pilotos femininos também afeta as diferenças de remuneração de género da easyJet, que tem vindo a ser publicada voluntariamente pela companhia durante os últimos três anos consecutivos, que se encontra focada em corrigir, através da Iniciativa Amy Johnson.
Na generalidade, as diferenças de remuneração entre homens e mulheres na easyJet é fortemente influenciada pelo desequilíbrio de género existente na comunidade piloto da easyJet e em todo o setor de aviação comercial. Ainda assim, os salários dos pilotos da easyJet são coletivamente acordados e negociados com os sindicatos, o que significa que as taxas de pagamento são exatamente as mesmas para homens e mulheres.

Deixe uma resposta